Carnaval sem carnaval: Período Pré-Carnaval

Por Lucas Fernandes

Eduardo de Paula Rodrigues, 36 anos, mais conhecido como Edu Sambista, Diretor de Harmonia e Presidente do conselho fiscal da Escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé. Chegou à escola pela influência e insistência de um amigo que era diretor dessa e que, assim como ele, é nascido no bairro do Tatuapé, Zona Leste da capital paulista.

Até o carnaval do ano passado, Edu dividiu suas atenções em mais de uma escola, além dos Acadêmicos do Tatuapé, também desfilou pelos Gaviões da Fiel, escola da qual foi diretor de Ala, porém, nos informou que a partir de então deixou a agremiação da organizada corintiana e voltará todas as suas atenções ao projeto da Tatuapé, na intenção de levar a escola de volta à elite do Carnaval Paulista. A Acadêmicos do Tatuapé hoje disputa o Grupo 1 do Acesso e obteve o 6º lugar em 2011.

Pouco mais de um mês depois do término do carnaval, esse projeto de retorno já teve início. No dia 30 de Abril de 2011, foi agendado e realizado o primeiro encontro dos integrantes da escola, uma reunião no intuito de analisar os erros, acertos, fazer aquela chamada “lavação de roupa suja”, um saldo geral do desfile, e então iniciar a caminhada rumo ao carnaval de 2012.

Essa primeira reunião, após esses dias de ressaca do carnaval, é programada pela diretoria e a tendência é de que com o passar do tempo, vá se intensificando cada vez mais, de acordo com o aproximar da festa, umas das mais populares do país, que leva o país a destaque internacional.

A data em questão tratava-se de um sábado à noite, isso porque, segundo Edu, praticamente totalidade dos integrantes da diretoria e da escola em si, possuem outras obrigações e responsabilidades extras, como trabalho e faculdade, estas que são praticamente anuladas em época de desfile quando todas as atenções e energias estão voltadas aos afazeres da escola, ele, por exemplo, cursa o último semestre de Ciência da Computação e perdeu mais de um mês de aula neste início de ano.

Até o meio do ano, a escola volta sua atenção aos planejamentos e estudos dos sambas enredos que participarão das eliminatórias, não há outras atividades marcadas para o barracão a não ser um encontro mensal em algum sábado, onde é feita uma feijoada com grupo de sambas e também tem por intenção atrair maior público e adeptos para a escola.

Um dos mais importantes fatos desse início de planejamento pós-carnaval, é a definição do enredo. Edu e o restante dos integrantes da diretoria escolhem qual será o assunto abordado para o ano seguinte, a partir disso, é elaborada ao público uma sinopse do enredo, assim, é marcado um dia onde tal sinopse fica disponível para retirada, então, os compositores interessados coletam o material e passam a criar os sambas enredo que participarão das eliminatórias.

Segundo comentário de Edu, tanto a Acadêmicos do Tatuapé quanto a maioria das outras escolas, costumam fazer a final dessas eliminatórias no mês de Novembro de cada ano precedente ao carnaval seguinte, assim, iniciam-se os processos de ensaios semanais de bateria, que dura até basicamente até o final deste ano, após a virada, já no ano do desfile, começam a acontecer os ensaios gerais, com participação aberta aos integrantes e público, que vai até o dia do desfile. Este último, segundo ele, é o período mais desgastante de um pré-carnaval.

Confira abaixo parte da entrevista realizada com Edu Sambista.