Indústria do casamento, fonte de grandes negócios

Que falido, que nada. Para quem pensa que o casamento é uma instituição com cada vez menos adeptos, os números estão aí para mostrar o contrário. O casamento pode não ser como há 50 anos, mas nunca esteve tão sólido – e rentável. Isso porque, segundo o último censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), cerca de 1 milhão de matrimônios foram realizados no Brasil em 2010. Este índice é engrossado pelos casais que já moram juntos, mas resolveram oficializar o relacionamento.

E mesmo com o conservadorismo e todas as tradições que envolvem o casamento, o segmento tem se destacado nos últimos anos como um grande gerador de empregos e movimenta cerca de R$ 10 bilhões por ano – aponta uma  pesquisa realizada em 2010 pela Abrafesta (Associação dos Profissionais, Serviços para Casamento e Eventos Sociais).

As oportunidades de negócios são variadas e quem lucra com isso são as pequenas e médias empresas. De acordo com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), aproximadamente 80% delas se enquadram neste perfil.

Com a concorrência cada vez mais acirrada, os empresários investem cada vez mais em tecnologia e aumentam a oferta de produtos e serviços para atrair os casais. Inúmeras novidades surgiram para proporcionar a festa dos sonhos. Vejamos algumas delas.

Presentes

            Os sites de compras coletivas chegaram para facilitar tanto a vida dos noivos, como dos convidados. A ideia de listar em um único local todos os presentes que se deseja ganhar permite um ganho de tempo inestimável para o casal. Para os convidados, o mais interessante é a praticidade de comprar nestes sites, com todo o conforto que a internet proporciona.

Foto e vídeo

            Hoje, os casais podem contar com uma superprodução para registrar esta data tão especial, desde álbuns modernos (onde fotos são tiradas fora do ambiente tradicional da igreja, festa) a vídeos em 3D e transmissão ao vivo pelas redes sociais. Para isso basta uma boa conta bancária, pois em média, esse serviço não costuma sair por menos de R$ 20 mil.

Lua de mel

            Há diversos sites que trabalham com o sistema de “cotas”, onde os convidados depositam valores em dinheiro para ajudar nas despesas com passagens, hospedagem e passeios da lua de mel.  Assim, fica mais fácil ter uma viagem inesquecível, além de ser uma alternativa interessante para quem não decidiu como irá presentear os noivos.

            Porém, mesmo com todas as possibilidades de economizar, casar ainda custa caro. A esteticista Carla Roberta Batista irá se casar em julho e está planejando a festa há 1 ano. Ela conta que, apesar das pesquisas e descontos que obteve de alguns fornecedores, os custos têm pesado bastante no bolso: “Ainda não terminamos de organizar tudo, mas pelas minhas contas, já gastamos em torno de 25 mil reais”, comenta.

Para não estourar o orçamento, contrair dívidas e evitar dores de cabeça, o melhor é planejar cada detalhe, pesquisar bastante, negociar, de acordo com as condições de cada casal.

Entenda mais sobre o assunto no áudio a seguir:
Que falido, que nada. Para quem pensa que o casamento é uma instituição com cada vez menos adeptos, os números estão aí para mostrar o contrário. O casamento pode não ser como há 50 anos, mas nunca esteve tão sólido – e rentável. Isso porque, segundo o último censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), cerca de 1 milhão de matrimônios foram realizados no Brasil em 2010. Este índice é engrossado pelos casais que já moram juntos, mas resolveram oficializar o relacionamento.

Por: Camila Souza Silva