População carente também é foco do Integra

Por Ananda Almeida, Débora Emílio e Renan Carvalhais

 Apesar da fama, o Projeto Cão-Guia de Cegos é apenas uma das ações da ONG Integra, Instituto de Integração Social e de Promoção da Cidadania. Outros projetos têm objetivos que vão desde a contribuição para a saúde da população de baixa renda até a inclusão digital dos deficientes visuais, como explica a coordenadora administrativa do Projeto Cão-Guia, Michelle Pöttker, na entrevista a seguir

Leia mais sobre o Projeto Cão-Guia

Jornalismo Digital: Além do Projeto Cão-Guia, vocês também desenvolvem outros trabalhos, inclusive com as famílias dos deficientes. Como são esses trabalhos?

Michelle Pöttker:  O INTEGRA tem dois grandes programas: um que atende à população baixa renda e outro que atende à população deficiente visual. Temos, por exemplo, na área da saúde, o “Projeto Saúde Integrada, Cidadania Rural”, composto por clínicas de Odontologia e Oftalmologia, além de dois traillers que levam estas e outras especialidades à população das áreas rurais no entorno de Brasília. Também o “Projeto Gente de Sucesso”, onde são atendidas 45 crianças e adolescentes em risco social, em parceira com a Vara da Infância e da Juventude. Há também o “Projeto Visão Virtual”, que é um curso de Informática para deficientes visuais com o propósito de inclusão digital e profissionalização destes alunos. Mas todos estes Projetos funcionam à parte do Projeto Cão Guia de Cegos.

JD: O projeto atua somente no Distrito Federal?

Michelle: Nossa escola fica no Distrito Federal, mas atendemos o país inteiro. Já foram distribuídos cães a utilizadores dos estados da Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

A Bayer Health Care é um dos parceiros do Projeto

JD: Há parcerias com empresas, universidades e outras instituições?

Michelle:  No caso do Projeto Cão Guia de Cegos, contamos com o apoio da Premier Pet – fornecimento das rações, da Bayer Health Care – fornecimento de medicamentos de sua linha, da Escola Veterinária da UnB – tratamento de especialidades e de outros importantes parceiros.

Leia também:

Instituições contribuem para inclusão social dos cegos