Projeto Cão-Guia treina cães condutores de cegos

Por Ananda Almeida, Débora Emílio e Renan Carvalhais 

Labrador exercendo função de cão-guia

 Se para quem enxerga buracos e desníveis nas calçadas podem causar acidentes, o perigo é ainda maior para os deficientes visuais. Para ajudá-los a superar obstáculos, a ONG Integra, de Brasília, criou, em 2001, o Projeto Cão-Guia de Cego. 

Saiba mais: 

Deficientes visuais portadores de cão-guia têm mais confiança para trabalhar 

Fila de espera para cão-guia tem mais de 300 pessoas 

População carente também é foco da ONG Integra 

Como o próprio nome diz, o Projeto visa disponibilizar aos deficientes visuais cachorros capazes de conduzi-los. Parece simples, mas exige muito trabalho, já que, diferentemente do que diz o senso-comum, ter um labrador não significa ter um cão-guia. 

Michelle Pöttker, coordenadora administrativa do projeto, diz que a raça mais utilizada é, sim, o Retriever do Labrador, mas com algumas ressalvas. “Os cães utilizados no projeto são originários do Programa de Reprodução do Centro de Treinamento, onde procuramos selecionar o temperamento ideal para um Cão-Guia”, explica. 

Além de selecionar, o Projeto faz um intenso treinamento com os cães, entregando-os, inclusive, a uma família hospedeira, que deverá treiná-los para situações reais enfrentadas pelos cegos. (Assista ao vídeo sobre o treinamento dos cães-guia) 

Leia também: 

Instituições contribuem para inclusão social dos cegos 

Fundação Dorina Nowill: 64 anos contribuindo para a inclusão dos deficientes visuais 

Cegos tardios e pais de deficientes visuais têm mais dificuldade em lidar com o problema