Internet vira alternativa a rádios piratas

Alex Navarro

Carolina Valente

Talita Ribeiro

Pequenas empresas de comunicação encontram meios legais de fazer suas transmissões

Com a facilidade e agilidade de atingir cada vez mais a grande massa da população, a internet surge como a principal alternativa às rádios “piratas”. Através do meio de comunicação cada vez mais democrático, a forma de se fazer rádio vem mudando e facilitando o crescimento de outros meios de comunicação de pequeno porte nesse meio.

Leia mais:

Mundo publicitário abre as portas para a internet

Rádios ilegais chegam a fechar aeroportos

Sem autorização do Governo, rádios piratas causam transtornos em São Paulo 

A solução encontrada por alguns radialistas, sejam eles de comunidades, rádios publicitárias, ou simplesmente a fim de divulgar um som, por exemplo, foi investir na criação de suas próprias rádios online.

Essas rádios de fácil criação, e custo praticamente nulo acabam por tirar da clandestinidade esses “piratas” espalhados por todo Brasil. De uma maneira rápida e eficiente a internet se tornou o meio legalizado para que qualquer um possa ter uma rádio. Qualquer pessoa em casa tem acesso a esse tipo de serviço que se expande de forma cada vez mais rápida.

Hoje essas rádios online acabaram por se tornar um grande mercado para a indústria fonográfica, e publicitária. Se tratando de música, acaba por muitas vezes divulgar bandas independentes, ou em alguns casos os próprios músicos acabam por criar uma rádio para divulgar o próprio som. A rádio acaba por se tornar uma ferramenta de trabalho para a banda.

Ouça algumas das opções em:

www.jovempanfm.virgula.uol.com.br

www.cbn.globoradio.globo.com

Pirata só no nome

Um desses projetos de rádio “legalizada”, idealizada pelo DJ Mauro Farina, atende pelo nome de “Rádio pirata”.

Na web há quatro anos, toda quarta-feira as 20 horas, a rádio online é transmitida em tempo real pela Under records, enquanto Mauro Farina recebe convidados para colocar um som. O programa é voltado para o hip hop experimental, e para o dubstep (estilo de música eletrônica).

O DJ Ricardo Gordz, que quase toda mês está presente pela rádio, acha importante essa iniciativa. “É praticamente tocar em uma festa quando estou por aqui, sempre com a presença dos amigos a gente coloca um som que a gente gosta, mas sabendo que tem um público nosso que ta ouvindo, acaba por ser uma festa para poucos, mas ao mesmo tempo para muitos, pois a gente sabe que tem um público fiel ao nosso som”.

Rodrigo Mit amigo dos “radialistas”, e que quase toda semana está presente nas “festas” promovidas pela rádio, acredita eu esse tipo de projeto só tende a crescer. “O interessante é que qualquer grupo de amigo pode se reunir, e mesmo com o mínimo de equipamento, basta um computador e um som bom que ta valendo, se faz uma festa assim”.

Leia também:

www.twitter.com/pirataradiosp

www.delicious.com/radiopiratasp

www.youtube.com/pirataradiosp

www.flickr.com/pirataradio