Riot Grrrl discute temas relacionados ao rock e feminismo

O chamado Riot Grrrl é um movimento abrangindo fanzines, festivais e bandas de hardcore, punk rock e feminismo. A intenção do movimento é informar a mulher de seus direitos e incentivar a reivindica-los. Uma das principais formas além de protestos foi o uso da música. A carreira músical feminina se resumia apenas como vocalistas, ou qualquer função em bandas de músicas leves, mesmo assim mal vistas. O gênero musical riot grrrls apareceu na década de 90 como resposta as atitudes machistas punks e sua representante mais famosa é a Bikini Kill.

Movimento Feminista dentro do Rock

Veja mais em: 

As mulheres do rock em evidência 

Festival Feminino de Rio Claro da show de solidariedade

Desconstruindo o Clichê 

Perfil do entrevistado 

Entrevista Banda Bonecas de Trapo

Banda do Movimento Riot Grrrl

Influenciadas por bandas com Ramones, Hole, Nirvana e Black Flag e Sex Pistols, a banda Bonecas de Trapo surgiu em meados de 2004.

Ao longo do tempo apesar de mudar o som, a banda ainda tem a mesma ideologia retratada em suas letras: dia a dia de garotas perturbadas, sexo, protestos e outros contos cantados com muito bom humor. E mesmo que não fazendo letras falando diretamente sobre feminismo ou discriminação da mulher na sociedade, são relacionadas ao movimento Riot Grrrl com a peculiaridade de não estar somente lutando pela emancipação da mulher, mas vivendo isso.

Vocês se consideram representantes do movimento Riot Grrrl?

Olha, pra mim isso não existe muito no Brasil. Digo, não assim com esse título todo. Acho que cada garota rocker leva o movimento para sua vida, não tem essa de se reunir e fazer um protesto, ou algo assim. Hoje não tem nem mais do que falar. Está quase tudo igual entre homens e mulheres. O movimento Riot Grrrl está presente na vida de cada garota pra lembrar que não é porque você é mulher que tem que ser tratada de modo inferior. E é essa coisa toda que nós estamos vivendo e adorando.

Vocês acham que o movimento feminista influenciou o Rock de alguma maneira?

Acho que o rock é que foi atrás do movimento feminista, pois o roqueiro tem essa vontade de revolução, de ver quando as coisas não estão certas e tomar atitudes, gritar pra todo mundo e mudar.

Existe diferença entre homens e mulheres no rock? Acham que precisamos de mais mulheres representando a cena no país?

Ah, com certeza. Quando se vê uma banda de meninas o pessoal ainda vai pra ver a ‘novidade’, ver se sabe tocar mesmo. Mas já tem gente aprendendo a curtir o som das bandas e vendo que a banda de garotas ou a garota na banda está lá pra conquistar seu gosto, como qualquer banda de garotos. E claro, precisa sim de mais mulheres na cena.

O que precisa, no ponto de vista de vocês, ser feito para incrementar a cena de rock feminina nacional?

Não só a cena feminina, acho que é preciso mais incentivo do governo, e desses caras que cobram entrada para os shows e não pagam nem o da gasolina das bandas. Ou faz um show de entrada gratuita ou ajuda quem tá te ajudando, né? Consideramos a cena parada, porque a galera cresce, tem mais responsabilidades financeiras e não dá pra pagar para tocar.

VOLTAR PARA PÁGINA INICIAL

Aproveite para visitar: Guitarra de Calcinha , @gdecalcinha e a matéria em flash