Rádios ilegais chegam a fechar aeroportos

Alternativa encontrada para a ilegalidade é a rádio online

Talita Ribeiro

No Brasil uma rádio precisa de uma autorização cedida pelo Ministério das Comunicações, através de concessão, e a licença da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para funcionar legalmente.

A transmissão não autorizada através da rádio freqüência geram problemas muito sérios. As conseqüências vão desde a interferência na comunicação de ambulancias e viaturas policiais até entre torres de controle e aviões.

No Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, o problema já foi denunciado pela INFRAERO (Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária). A Folha Online publicou no dia 22 de abril uma matéria sobre o fechamento de uma rádio pirata na região da zona norte de São Paulo após interferencias registradas no aeroporto.

De acordo com a matéria publicada a rádio pertencia a um suposto vidende, que alegou prestar serviços à comunidade. A transmissão era realizada em um quarto no subsolo da residencia do acusado através de uma tore de cerca de 15 metros de altura e com a potência de 2800 quilowatss, suficiente para alcançar toda a região metropolitana. Os equipamentos apreendidos.

Em outrubro de 2009 durante uma operação da Polícia Civil, outra rádio pirata de causava interferencias no Aeroporto Internacional de São Paulo foi localizada e fechada na região de Osasco.

No mês de agosto de 2009, após uma denuncia de briga entre vizinhos na zona leste, a Policia Militar suspeitou de uma das envolvidas e localizou em sua residencia equipamentos como trasmissor de alta potencia mesa profissional, dois microfones, um computador e um aparelho de som. Segundo a Secretária de Segurança Pública (SSP) a rádio “divulgava cultos de uma igreja e oferecia curas milagrosas”.

Ainda em 2009, a trasmissão de uma rádio ilegal provocou o desvio de cinco voos que deveriam pousar no Aeroporto de Congonhas para Viracopos, em Campinas. De acordo com a matéria publicada pelo site de notícias da Globo, G1, em maio do ano passado, durante 15 minutos os controladore de voos procuraram frequencias seguras para a comunicação com pilotos enquanto isso os aviões aguardavam a autorização para pouso. Abaixo o diálogo publicado pelo site:

Torre – O senhor declara problema com combustível?

Piloto – Negativo, não é uma emergência de combustível. Eu quero uma previsão só.

Torre – Não há previsão do tempo de espera, porque nós estamos tentando normalizar a situação da frequência. Todas as três que a gente tinha no final São Paulo, estão com interferência de rádio pirata, ok?

Torre – Estamos tentando também a quarta frequência, que também está com interferência de rádio pirata. Estamos sem frequência para operar no final São Paulo.

A rádio pirata foi localizada e fechada pela Policia Militar em São Matheus, zona leste de São Paulo.

Segundo informações do funcionário do Aeroporto de Cumbica, R.P, que por questões de segurança não quis ser identificado, quando uma transmissão ilegal atinge a freqüência da torre de controle aumentam as precauções na questão segurança – Em primeiro lugar está a segurança dos passageiros e usuários do aeroporto. Quando existe a interferência de uma rádio pirata todos ficam em estado de atenção maior. Entre um dos maiores perigos está a autorização de pouso ou decolagem. Uma pessoa de má fé pode entrar na transmissão como funcionário e colocar em risco os procedimentos de vôo.

Moradores da região são afetados

A ilegalidade das rádios causam ainda outro transtorno menos nocivo, mas que revolta alguns moradores da região do Taboão, próximo ao aeroporto de Guarulhos, é o mal funcionamento das freqüências legais de rádio. A interferência dos radialistas piratas atrapalha o bom funcionamento dos equipamentos de som da região. De acordo com a moradora Kelly Ribeiro é praticamente impossível ouvir uma estação sem problemas – Sempre que ligo o rádio aqui acabo perdendo a paciência, coloco na minha rádio favorita e de repente começo a ouvir um culto religioso. Tem gente que acha divertido brincar de ser dono de rádio, mas não sabe quantas pessoas acaba prejudicando.

É possível denunciar as rádios piratas através do site da Associação das Emissoras de Rádio e Televisão do Estado de São Paulo www.aesp.org.br ou também pelo telefone da Anatel 0800-332001.

Leia mais informações:

www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u724832.shtml 

www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u702328.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u644983.shtml

Voltar a primeira página: