Festival Feminino de Rio Claro da show de solidariedade

O Festival de Rock Feminino surgiu na cidade de Rio Claro, em São Paulo, há oito anos, com o intuito de divulgar a arte feminina, ajudar instituições de caridade e demonstrar a necessidade de políticas igualitárias entre homens e mulheres. Considerado o maior evento do segmento no país, foi eleito pela Revista Dynamite (SP) o segundo melhor evento musical do Brasil, em 2007.

Banda Hello Bitch no Festival de Rock Feminino 2010

Desde 2003 o evento vem duplicando seu público chegando, em 2009, a atrair cerca de duas mil pessoas e arrecadar mais de 1,5 mil litros de leite para o Fundo Social de Solidariedade. O FRF foi o primeiro festival de rock independente do Brasil a ser transmitido ao vivo por internet e tv a cabo, através de uma parceria com a TV Comunitária Cidade Livre.

Integrando homens e mulheres no palco através da música, o evento incentiva meninas a tomarem a iniciativa de enfrentarem o palco e montarem uma banda, além de incentivar a produção autoral. Com o intuito de unir e não segregar, parte das bandas que se apresentam no Festival têm também homens em sua formação original.

Veja mais em:

As mulheres do rock em evidência

Riot Grrrl discute temas relacionados ao rock e feminismo

Desconstruindo o Clichê

Perfil do entrevistado

Em 2010 cerca de quatro mil pessoas participaram do evento. “Estamos muito satisfeitos com os resultados do festival, primamos sempre pela organização e qualidade das bandas e atividades; acho que a resposta ao nosso trabalho está vindo com esta receptividade do público”, comenta a organizadora do evento Vivian Guilherme.

Festival atraiu mulheres de todas as idades

Com caráter solidário, a maior parte das atividades do Rock Feminino foi gratuita ou beneficente. Ao todo, dois mil litros de leite foram doados ao Fundo Social de Solidariedade, Rede de Combate ao Câncer e Educandário Santa Maria Goretti. “Isso mostra que o rock também é solidário, as pessoas precisam acabar com esse estigma negativo em relação ao rock; durante todo o festival não tivemos registro de nenhuma briga ou qualquer coisa do gênero”, relata.

Pela primeira vez, o festival ampliou as atividades agregando diversos segmentos artísticos como Mostra de fotos, cinema, teatro, banda sinfônica e palestras. Além disso, incrementou os dias de show com dois palcos, campeonato de Guitar Hero e Bluetooth Zone.

Com dois palcos, os shows se tornaram mais dinâmicos excluindo o tempo de espera para montagem de palco, o que também proporcionou uma melhor equalização no som. “Para as bandas ficou mais fácil e para o público menos cansativo”, avalia Vivian.

O FRF completa sua oitava edição

Para a vocalista da banda Maju, Ludy, este “foi um dos melhores eventos que já tivemos o prazer de tocar, sem dúvida alguma! Muito bem organizado, muita gente curtindo, foi uma festa maravilhosa. Tanto os promotores do festival quanto a prefeitura de Rio Claro merecem os parabéns. Nos divertimos muito e acredito que os fãs voltaram para suas casas realizados depois de tantas horas de Rock ininterruptos. O festival Rock Feminino sempre terá o apoio incondicional de todos os envolvidos na banda”, enfatiza a cantora.

A expectativa para o próximo ano é manter a produção e investir em bandas e incentivo. “A parceria com a prefeitura tanto de Rio Claro como Cordeirópolis está cada vez mais fortalecida é muito bom poder contar com o auxílio do poder público”, finaliza Vivian.

VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL

Aproveite para visitar: Guitarra de Calcinha , @gdecalcinha e a matéria em flash