“Falta é um pouco mais de atitude e consciência da população”

Mateus Cleto e Thiago Barreto

Principal centro financeiro, corporativo e mercantil da América Latina, São Paulo sofre com a desvalorização de seus patrimônios históricos. Um exemplo disso é o centro da cidade, que sofre com a falta de respeito e consciência da população.

Embora tenha sofrido um processo de degradação e desvalorização, o centro de São Paulo tem recebido nos últimos anos investimentos tanto do setor público quanto do setor privado em forma de parcerias afim de revitalizar o que antes fora cenário de lazer entre os paulistanos.

Diversos projetos estão sendo elaborados e discutidos visando resolver diversos e graves problemas da região como excesso de camelôs, poluição sonora e visual, lixo, pichações e outros, incentivando paralelamente atividades que venham a trazer uma nova vitalidade ao centro, principalmente atividades ligadas à cultura, ao lazer e ao turismo.

Para o turismólogo Leandro Ferraz, o centro de São Paulo está com bastantes projetos, mas falta um pouco de ação. “Diversos projetos, programas de incentivo e outras formas de melhorar o centro estão sendo discutidas e analisadas, o que falta é um pouco mais de atitude e consciência da população”, afirmou Ferraz.

A cultura paulista é uma das mais ricas dentre os estados brasileiros, justamente por ser uma mistura de todas as outras culturas nacionais. Isto se deve às várias ondas migratórias e imigratórias que vieram para o estado nos séculos XX e XXI, trazendo costumes distintos para um mesmo lugar e criando uma cultura singular, seja na música, na literatura ou nas artes plásticas.

Danilo Guedes, comerciante, relata a importância de explorar a cultura paulistana de maneira correta e inteligente. “Na minha loja, vendo discos para pessoas de diferentes culturas e costumes, o centro precisa de ações para ter mais este tipo de interatividade e atrair outros tipos de públicos. O centro é um lugar único, possui uma bela riqueza de informações e conhecimento, e nós não podemos perder isto ”, afirmou o comerciante.

Voltar para a notícia principal